Jamesetta

Ela cantava o cinza, o escuro do amor que se foi, à sua frente, com outra. Ela era a dor, entre gracejo e expressões, brincadeiras de rir de si e de dona Ironia, atrevida chamada Vida. E se fazia cômica, para alquebrar o dissabor. À vontade, ela estava na sala de casa, no seu chuveiro cantando, para si mesma. De sua voz, emanam emoções e sentidos que alguns nunca irão entender.

Lidava com o improviso e o imprevisto, perfeitamente combinado sem o ser. E provocava seus músicos, em breques repentinos, dando algum colorido aos sorrisos. Solitária, ainda viva.

O microfone era opcional. Podia estar em frente à boca, ou encostado à coxa, descansando, buscando um colo às emoções que por ele passavam, vibravam tanto que mesmo o metal sentia algo.

Não queria vê-lo partir, e mais do que tudo, não ambicionava ser livre, não. Sentada, pensando nos beijos e abraço quente, quando o reflexo no copo que segurava aos lábios lhe revelou as lágrimas que escorriam em seu rosto.

Ela suava; a algia em seu grito, a agonia! Ilusão despedaçada, tarde de primavera findando em tempestade fria e solitária, impassível, antes das quatro da tarde.

Ela preferiria ser cega.

Eu jamais seria surdo.

O coração arde em bramidos e frêmitos, olhos choram, a pele sente; a alma de quem escuta, extasiada, agradece.

Etta James – I’d Rather Be Blind (live at Montreux, 1975)

https://www.youtube.com/watch?v=uZt1xKtPbUQ

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.